AULA DE ARTES PARA PROFESSORES DA ESCOLA NO HTPC

Tive a honra de ministrar uma aula especial de teatro com enfoque pedagógico aos professores de nossa escola no ultimo HTPC (Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo) dessa quarta-feira, dia 15 de Setembro de 2010.


A iniciativa partiu da equipe gestora da escola que acredita que nós professores podemos compartilhar aprendizagens uns com os outros; filosofia pedagógica que eu avalio como imprescindível numa educação contemporânea..


Foi muito prazeroso estar com os professores em dinâmicas teatrais que propus. Obrigado pela participação de cada um; espero ter contribuído com minhas metodologias e crenças pedagógicas. Registrei alguns momentos em vídeo e a Coordenadora Eliane registrou em fotos outros; em breve disponibilizarei as imagens aqui em nosso blog.

Abaixo segue resumidamente o Plano de Aula:


TÓPICOS ABORDADOS NA AULA
  • Consciência Corporal – PRÁTICA – indicação bibliográfica: Marcos Garcia Neira
SEU CORPO É PRODUTOR DE CULTURA?

  • O teatro do Oprimido - TEÓRICA indicação bibliográfica: Augusto Boal
NA ESCOLA QUEM OCUPAM OS PAPÉIS DE OPRESSORES E OPRIMIDOS???

  • Dinâmicas de concentração – CARTEIRO e “Se os tubarões fossem homens”
O QUE SÃO TERRITÓRIOS???  EDUCAR PARA QUÊ???

  • O corpo como materialidade da arte – Quadro Vivo * Obra “fuzilamentos de 3 de maio” GOYA
FORMA, CONFORMA, DEFORMA, REFORMA O QUE?

  • O idioma teatrês – jogo dos gestos + tradução de idioma
SIGNIFICAÇÃO OU RESSIGNIFICAÇÃO? UM DEBATE EM SEMIÓTICA

  • Relaxamento Teatral dirigido – Teatro Imaginário* Cinestésico.
ONDE VOCÊ ESTEVE, ESTÁ E PODE ESTAR NO SENTIDO POÉTICO DE IDENTIDADE CULTURAL???

________________________________________________________________

SE   OS   TUBARÕES   FOSSEM   HOMENS
Se os tubarões fossem homens, eles construiriam resistentes caixas do mar para os peixes pequenos com todos os tipos de alimentos dentro, tanto vegetais, quanto animais.
Eles cuidariam para que as caixas tivessem água sempre renovada e adotariam todas as providências sanitárias, cabíveis se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, imediatamente ele faria uma atadura a fim que não morressem antes do tempo. 

Para que os peixinhos não ficassem tristonhos, eles dariam cá e lá uma festa aquática, pois os peixes alegres tem gosto melhor que os tristonhos. Naturalmente também haveria escolas nas grandes caixas, nessas aulas os peixinhos aprenderiam como nadar para a goela dos tubarões.
Eles aprenderiam, por exemplo, a usar a geografia, a fim de encontrar os grandes tubarões, deitados preguiçosamente por aí. A aula principal seria naturalmente a formação moral dos peixinhos.
Eles seriam ensinados de que o ato mais grandioso e mais belo é o sacrifício alegre de um peixinho, e que todos eles deveriam acreditar nos tubarões, sobretudo quando esses dizem que velam pelo belo futuro dos peixinhos. Se encucaria nos peixinhos que esse futuro só estaria garantido se aprendessem a obediência.

Antes de tudo os peixinhos deveriam guardar-se antes de qualquer inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista e denunciaria imediatamente aos tubarões se qualquer deles manifestasse essas inclinações.
Se os tubarões fossem homens, eles naturalmente fariam guerra entre si a fim de conquistar caixas de peixes e peixinhos estrangeiros. 

As guerras seriam conduzidas pelos seus próprios peixinhos. Eles ensinariam os peixinhos que entre eles e os peixinhos de outros tubarões existem gigantescas diferenças, eles anunciariam que os peixinhos são reconhecidamente mudos e calam nas mais diferentes línguas, sendo assim impossível que entendam um ao outro.  Cada peixinho que na guerra matasse alguns peixinhos inimigos da outra língua, silencioso, seria condecorado com uma pequena ordem das algas e receberia o título de herói. Se os tubarões fossem homens, haveria entre eles naturalmente também uma arte, havia belos quadros, nos quais os dentes dos tubarões seriam pintados em vistosas cores e suas goelas seriam representadas como inocentes parques de recreio, nos quais se poderia brincar magnificamente.
Os teatros do fundo do mar mostrariam como os valorosos peixinhos nadam entusiasmados para as goelas dos tubarões. 

A música seria tão bela, tão bela que os peixinhos estariam sob seus acordes, a orquestra na frente entrariam em massa para as goelas dos tubarões sonhadores e possuídos pelos mais agradáveis pensamentos .
Também haveria uma religião ali. Se os tubarões fossem homens, ela ensinaria essa religião e só na barriga dos tubarões é que começaria verdadeiramente a vida.
Ademais, se os tubarões fossem homens, também acabaria a igualdade que hoje existe entre os peixinhos, alguns deles obteriam cargos e seriam postos acima dos outros.
Os que fossem um pouquinho maiores poderiam inclusive comer os menores, isso só seria agradável aos tubarões pois eles mesmos obteriam assim mais constantemente maiores bocados para devorar e os peixinhos maiores que deteriam os cargos valeriam pela ordem entre os peixinhos para que estes chegassem a ser, professores, oficiais, engenheiro da construção de caixas e assim por diante. 
Curto e grosso, só então haveria civilização no mar, se os tubarões fossem homens. BERTOLD BRECHT


*Os pilares de uma educação sinestésica através do teatro
“O teatro na escola é um exercício de afeto, uma experiência dos sentidos e vivências pluralizadas pelas humanidades no outro e em si próprio. Um espaço de ressignificação do sujeito massificado pela sociedade. Um jogo simbólico entre o construir da identidade nas relações de alteridades. Afeto no sentido de se deixar afetar, os afetamentos são de dentro pra fora e de fora pra dentro, em vias complementares. Experiência da forma, do gesto, do sabor de cada ato, de cada olhar, do com...tato, do novo recebido. Vivencia de conviver, de ser, ter e estar, esparramar no chão, energia do corpo, da alma e do coração. Conhecimento e estética são experiências de uma mesma coisa”

Tiago Ortaet  -  Abril de 2008 à Setembro de 2010 em observatório humano-artístico

QUESTIONAMENTOS PARA DEBATE
Proponho um fórum virtual no BLOG CONTINENTAL CULTURAL da escola. Por gentileza postem suas respostas no sitewww.continentalcultural.blogspot.com  

1)      Se o estudante está em constante mutação em todos seus aspectos formais enquanto indivíduo, quais ferramentas humanas você o instrumentaliza para que ele exerça o conhecimento de forma mais proveitosa?


2)      Durante toda nossa vida a questão estética (compreende-se nesse contexto como estética, toda e qualquer manifestação visual) é muito importante, principalmente na adolescência. Como você imagina que essa valorização das visualidades na escola pode favorecer o processo de conhecimento do estudante?


3)      O “caderno do aluno” bem como O CURRÍCULO da disciplina de ARTES foi estruturado sob o conceito de RIZOMAS (relações em rede que se articula * Deleuze). Pensando em nossa missão de EDUCADORES o que podemos propor como rizomas para uma educação contemporânea?


4)      O que atualmente atrai mais os jovens? Como lidar com essa hibridização cultural e construir um jogo a favor da aprendizagem?


5)      Este espaço é exclusivo para suas críticas e sugestões para que eu possa mais uma vez me rever em teorias, práticas, estratégias e metodologias. Também essa questão tem a finalidade de que você  avalie o que aprendeu e sua participação nas atividades propostas.

Muito Obrigado pela sua participação. Evoé! Tiago Ortaet
Para comentar essa matéria clique no link abaixo "0 comentários"



VEJA TAMBÉM

0 comentários