"A CASA DOS FAZEDORES" de Tiago Ortaet


Esse texto reflete acerca do processo de criação literária em consonância com a relação do poeta com a  sociedade caótica a sua volta:


A CASA DOS FAZEDORES

Poesia não é negócio
É divórcio da ignorância.
Com ela minha ânsia de me espedaçar em palavras...
T. Ortaet - Porto, Portugal - Abril/2012 foto: by Torres
Poesia é pó que veste e reveste a construção.
Se constrói na demolição dos muros da vida.
Avenida-imensidão de trânsito rápido!
Poesia é tijolo de identidade, revestida de alteridade...
No meu muro verbal pichado de pecado capital protejo e projeto o germinal de mim.
Uma casa da palavra, destelhada, pra ter o céu como teto e quintal vertical.
Rompem minhas cercas e cercam meus instintos; convido amigos que me são de irmandade pra missão de felicidade, de estar poesia onde se anuncia a casa velha sempre nova; brincar de eternidade com o que ficou escrito, que vagará além do infinito; meu infinito pessoal que se acaba em algum lugar.
Flertar é flexa do meu poetizar!
Ignorar o flerte do presente é covardia de quem renuncia o destino.
Matriculo-me na outrora, por que agora é o minuto só meu, meu presente, meu encontro com o que lerão na página dois...
Matriculo-me na outrora pra não ter remórcio do meu velho ócio na memória...
Todas essas coisas comigo, de mãos dadas com meu medo e seus plurais, plagiando até Oswaldo Montenegro e seus ancestrais; que já é chegada a hora: Eu quero ser feliz agora!
Eu sou esses pedaços que juntos são diferentes do que a soma das partes... Meus versos disparados, meus instintos bem intencionados, minhas artes e meu vicio que faço e disfarço de ofício pra me presentear com as coisas mais simples do mundo... Faço questão, me dou permissão.
Amém-travessão!
Se em algum outro mundo o travessão inicia, aqui, na minha poesia, ele reinicia o que vem depois!!!

Tiago Ortaet
Agosto de 2012

VEJA TAMBÉM

0 comentários